Controle Patrimonial

Ativo Imobilizado



Avaliação Patrimonial



Inventário Patrimonial



Avaliação de Ativos



Inventário e Avaliação dos Ativos

Inventário e Avaliação dos Ativos


  Entre em contato via WhatsApp   Entre em contato via WhatsApp

650-03-2022 Assim como a Gestão Empresarial, manter sob controle o Ativo imobilizado é necessário realizar a Gestão patrimonial, ou seja, acompanhamento. • Os saldos do Balanço Patrimonial O Balanço Patrimonial é a consolidação de saldos patrimoniais de todas as contas que compõe o Ativo e Passivo, dessa forma, periodicamente (fechamentos mensais e anuais) tem se por meio do Balanço Patrimonial os saldos de cada uma das contas totalizando por meio da aritmética o resultado de: saldo anterior + débitos – créditos = saldo atual. Os saldos contábeis registrados no Balanço Patrimonial por si só são meras informações que relatam grandezas, entretanto, para cada conta patrimonial é necessário que tenhamos uma “conciliação” ou um razão auxiliar, de forma geral um controle extra contábil que dará o devido suporte aos saldos registrados contabilmente. Os saldos patrimoniais registrados no Balanço Patrimonial que referem-se ao Ativo Imobilizado devem ser administrados analiticamente no Controle de Patrimônio ou Controle Patrimonial. • Controle Patrimonial – a utilização correta O Controle patrimonial é uma espécie de razão auxiliar (suporte) onde se administra todos os bens que compõe o Ativo Imobilizado, dessa forma a soma dos saldos de todas as contas do Controle Patrimonial devem ser iguais aos saldos contábeis. Por meio do Controle Patrimonial, devemos registrar todas as movimentações dos Ativos e também mensalmente gerar e contabilizar a depreciação, e esse número deve ser contabilizado no resultado da empresa (DRE) que servirá como um dedutor na apuração de imposto de renda e contribuição social para empresas tributadas pelo lucro real, em contra-partida será registrado na conta patrimonial de Depreciação Acumulada. • Quando os saldos estão divergentes, o que fazer? De forma geral quando o acompanhamento entre a Gestão Contábil e a Gestão Patrimonial ocorrem, os saldos costumam “bater”, ou seja, são iguais, entretanto, quando ocorre qualquer “espaço” de tempo sem o devido acompanhamento ou mesmo se iniciou-se essa Gestão sem os saldos estarem alinhados, não haverá como ter os números sob gestão. Diante disso é fundamental realizar o confronto das informações por meio da realização de um Inventário Geral do Ativo Imobilizado e na sequencia uma conciliação. • A inexistência de documentação fiscal De forma geral a legislação determina que alguns documentos fiscais sejam armazenados ou arquivados por ao menos 05 anos. Muitas empresas se desfazem dos mesmo após esse período, mas no caso do Ativo Imobilizado há uma particularidade, diante do benefício da Depreciação que em alguns casos pode se estender por 05, 10 e até 25 anos, é importante que esses documentos sejam devidamente arquivados para que possa ser comprovado o benefício da depreciação (despesa). Algumas empresas (gestores) ao se desfazerem desses documentos podem estar gerando problemas futuros em possíveis processos de fiscalização tributária pelo fisco federal. Um outro problema também, quando não se tem o documento fiscal 9NF) é que em muitos razões da Contabilidade os lançamentos de registros de aquisições trazem poucas informações e em muitos casos apenas a descrição de “compras do mês”, e num processo de conciliação entre a base contábil x o controle patrimonial essa informação acaba por não ajudar em nada quando as divergências são encontradas. Quando se realiza o “confronto” dos relatórios contábeis x os relatórios do Controle Patrimonial é fundamental ter uma base analítica de cada um para que o processo ocorra de forma correta, do contrário, ajustes serão necessários. • A importância do Inventário do Ativo Imobilizado Quando se tem de fato a necessidade ter os saldos contábeis reportando a realidade do ativo imobilizado, mais do que uma conciliação entre a Contabilidade e o controle Patrimonial é fundamental a realização de um Inventário do Ativo imobilizado, ou seja, um inventário geral, e esse inventário deverá ser comparado ou conciliado com o controle patrimonial e depois então ajustado junto a Contabilidade. Quando todo esse processo é realizado e bens são identificados ou não identificados no processo de Inventário mesmo após o processo de saneamento (busca das sobras), ajustes deverão ser realizados para mais ou para menos na Contabilidade. • Porque devemos contratar uma empresa especializada em Gestão Patrimonial São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Brasília, Fortaleza, Belo Horizonte, Curitiba, Manaus, Recife, Porto Alegre, Belém, Goiânia, Guarulhos, Campinas, São Gonçalo, São Luís, Maceió, Duque de Caxias, Nova Iguaçu, São Bernardo do Campo, Teresina, Natal, Campo Grande, Osasco, João Pessoa, Santo André, Jaboatão dos Guararapes, Contagem, Uberlândia, São José dos Campos, Feira de Santana, Sorocaba, Ribeirão Preto, Cuiabá, Aracaju, Juiz de Fora, Londrina, Joinville, Ananindeua, Belford Roxo, Aparecida de Goiânia, Niterói, São João de Meriti, Campos dos Goytacazes, Santos, Betim,



Data: 06/05/2022


Mais Informações








Compartilhar:


Quer ganhar uma consultoria grátis? Deixe seus dados abaixo: